Loz Engelis pelo mundo – Mi Buenos Aires querido…

Buenos Aires 01


Há pouco mais de dez anos, realizei minha primeira viagem internacional. O destino escolhido foi Buenos Aires, a capital da Argentina, já que, na época, a Gol estava inaugurando o primeiro voo direto de Brasília para lá. Como nunca tinha saído do país ou ao menos dado um rolé sem meus pais à tiracolo, a cidade me parecia o destino certo: preços em conta, ares cosmopolitas, boas opções de vida noturna e um certo nível de segurança urbana para um meninão meio bocó de 19 anos.


Buenos Aires 02


Catei a mala, embarquei com um amigo e lá passamos 16 dias maravilhosos. Desde então, sempre que posso, bato na porta do nosso vizinho para pedir um alfajor emprestado. Já fui para lá em ocasiões diversas: sozinho, namorando, com amigos e com família. Em cada uma delas conheci coisas diferentes, revi outras pelas quais tinha me apaixonado e, até agora, não me cansei. Parece que Buenos Aires pode agradar a todo mundo facilmente.



Buenos Aires 03


Desde aquele début, fiz um guiazinho para ajudar os mais íntimos que fossem para lá com algumas dicas preciosas. De tanto receber elogios, meu ego não aguentou. Transferi toda essa experiência de um arquivo do Word e preparei algo mais elaborado para você, único e querido leitor do Loz Engelis.


Buenos Aires 04

Antes de mais nada, gostaria de agradecer a outros desbravadores que me ajudaram muito. Três guias me foram de grande valia: Buenos Aires para Brasileiros, um livrinho da Viagem & Turismo provavelmente fora de circulação e Buenos Aires de A a Z. Como o papel se defasa rapidamente, nas últimas duas vezes recorri ao ótimo site Buenos Aires para Chicas, que serve muito bem a meninos e meninas de bom gosto.



Buenos Aires 05

Mantenham os cintos afivelados e se preparem para viajar. Loz Engelis pelo mundo te apresenta… Buenos Aires.



COMO CHEGAR

De avião, uai.

Quem mora em Brasília, como este que vos fala, já não tem mais o voo da Aerolíneas Argentinas que saia direto do meu, do seu, do nosso Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek sem escalas para o Aeroporto Internacional Ministro Pistarini na capital portenha, também conhecido como Ezeiza. Nada que uma escala em outra cidade não resolva.

Ezeiza - Passagens aéreas dicas

Se puder, tente escolher o Aeroparque Regional Jorge Newbery. Ezeiza é longe para cacete do centro (mas tem um free shop bem mais caprichado). Para se ter uma ideia, é uma distância equivalente a Guarulhos ao centro de São Paulo ou do Galeão da Zona Sul do Rio.

Caso Ezeiza seja a única solução, existem maneiras de não se gastar muito para chegar na cidade. Já ouvi falar de um serviço tipo Frescão chamado Manuel Tienda León que é bem em conta. Mas eu mesmo nunca usei, então não posso atestar se funciona.

Para quem não abre mão do conforto, vale a pena pegar um táxi. Aconselho o Taxi Ezeiza, daqueles tabelados. É seguro, prático e você vai no banco de trás feliz e contente. Custa $530 até o centro, cerca de R$ 130 (explico já, já sobre a questão do câmbio).

Outra vantagem da companhia é que no caminho contrário, de Buenos Aires para o aeroporto, a tarifa fica $100 mais barata do que na ida. Vamos combinar, é uma mão na roda ter um carro te esperando na porta do seu hotel no horário combinado. Da vez mais recente em que fui, tive que pegar um voo de madrugada e eles foram super pontuais.

 

ONDE FICAR

Albergues

Milhouse Hostel Hipo – Hipólito Yrigoyen, 959

Me hospedei nesse albergue na primeira vez que fui para Buenos Aires e tive uma ótima experiência.

Milhouse Hipo 01 - Booking

O Milhouse Hipo oferece várias opções de programação aos viajantes, como pequenas excursões pela cidade, aulas de tango, salsa, etc.

Para quem curte um furdunço, também indico o endereço. Eles têm uma área comum super gostosa e os hóspedes costumam ficar por lá ouvindo música, conversando ou bebendo uma cerveja Quilmes litrão. De noite, o espaço quase sempre se transforma em pub ou boate. Sem dúvida o melhor hostel de Buenos Aires com endereço central, preços justos, limpo e bem organizado.

Milhouse Hipo 02 - Booking

Milhouse Hipo 03 - Booking

Milhouse Hipo 04 - Booking

Milhouse Avenue! – Avenida de Mayo, 1245

Da mesma cadeia do hostel citado anteriormente. O esquema é quase igual ao do “irmão mais velho”. Nessa unidade, peguei quarto duplo e fiquei surpreso. Tirando um espaço inútil à porta e uma escada estreita, o ambiente era muito gostoso. A cama, naqueles moldes king size com cobertor e travesseiros fofos, era maravilhosa. O que pecou foi a falta de uma pia no banheiro, substituída amadoramente por um tanque de lavar roupa dentro do quarto.

Milhouse Avenue 01 - Booking

Milhouse Avenue 02 - Booking

Milhouse Avenue 03 - Oficial

Hostel Suites Obelisco – Avenida Corrientes, 830

A grande vantagem dele é a localização. A Corrientes é uma avenida enorme, cheia de ruas paralelas animadas, incluindo a Calle Florida (daqui a pouco falo dela). É um albergue super digno. Quando fiquei lá, ele tinha algumas promoções para as noitadas (o preço incluía a entrada e o transporte de ida e volta) — acho que é uma prática comum nesse tipo de hospedagem. O barzinho de lá também era bem bacana.

Hostel Suites Obelisco 01

Hostel Suites Obelisco 02

Hostel Suites Palermo – Charcas, 4725

Super charmoso, mas um pouco desanimado. Não tem aquele clima MEGA jovem – o que, dependendo da viagem, pode ser ótimo. Fica perto de uma estação do metrô.

Hostel Suites Palermo

A maior vantagem de se ficar em albergue (além do preço, claro) é a galera que o frequenta. Um povo jovem, estrangeiro, animado. Dá pra conhecer muita gente legal. Até brasileiros, imagina só. O esquema é que nem república: você entra e sai a hora que quer. Em quartos compartilhados não tem essa de chave. São sete ou oito pessoas em um quarto só. Sempre tranquem a mala dentro dos lockers que eles disponibilizam. PRINCIPALMENTE quando elas tem dinheiro ou algo de valor. Leve cadeado porque lá eles não têm.

Ah, e uma dica. Desliga um pouco o smartphone e o tablet. É meio esquisito ver aquele bando de gente, às vezes doida para interagir entre si, só no tec, tec, tec. LIBERTA, DJ!

Hotéis

Rochester Classic – Esmeralda, 542

Em certa ocasião, usei os serviços da Bancorbrás para me hospedar em Buenos Aires e não me arrependi com a escolha deste hotel. O endereço é muitíssimo bem localizado para quem gosta do agito de uma cidade grande, bem como ter à volta opções de compras, restaurantes e serviços como lan houses, casas de câmbio, etc.

A rua em que o Rochester Classic está localizado, a Esmeralda, fica paralela à agitada Florida e suas adjacências. Por mais que a palavra Classic esteja cravada no nome do local, o clima é moderno, fato refletido nos quartos com cara de mini-apartamentos.

Rochester Classic - Rochester Hotel

Mundial Hotel – Av. de Mayo, 1298

Nessa mesma vez em que me hospedei no Rochester Classic, também conheci outro hotel da capital argentina. Agora senta que lá vem história.

Minhas diárias da Bancorbrás tinham acabado e eu achei que seria fácil me alojar em algum albergue ou outra opção mais em conta. Eu só não sabia que no dia do meu check-out, um sábado, havia um feriado nacional. Ou seja, Buenos Aires estava abarrotada de gente e não sobravam quartos disponíveis na cidade (pelo menos não para o meu orçamento).

Depois de uma aventura nas ruas com mala pesada, de ressaca, exaurido, consegui telefonar para um hotel que se encaixava nos meus requisitos (barato, limpo e com um mínimo de conforto). Encontrei um quarto no bairro de Abasto, mas, apesar do ótimo serviço, não gostei mesmo do lugar. Volta o cão arrependido… direto para o Booking.com. Foi lá que descobri o Mundial Hotel. Ele tem uma aura antiga (até meio fantasmagórica para ser sincero), mas é super ajeitadinho, confortável e no meio da cidade.

Hotel Mundial

NH 9 de Julio – Av. Cerrito, 154

Vocês já devem ter percebido que eu gosto de um agito, não é mesmo? Por isso, em Buenos Aires sempre escolho ficar no centro. O NH foi outra boa descoberta de hospedagem. Também usei a Bancorbrás para reservá-lo e recebi uma bela surpresa.

O endereço é um hotel-conceito e tudo nele é maravilhoso. Peguei um quarto amplo, bem espaçoso, lindo, novo, de frente para o Obelisco, uma linda vista. Os lençóis impecáveis, TV à cabo, travesseiros macios, cofre e tudo mais. Faltam até adjetivos.

NH 01 - Central de Reservas

NH 02 - Booking

Ah, mas para não dizer que eu sou a Pollyana do universo hoteleiro, enxerguei, sim, uma peculiaridade que pode incomodar algumas pessoas. Pense numa cozinha americana, aquela que fica perto da sala separada apenas por um balcão. Agora pense num banheiro assim. É. Lá ele é aberto, sem porta para separar o cômodo.

Claro que tanto o vaso quanto o chuveiro são separados com uma entrada fosca, mas eles, ainda assim, estão à vista. Mas vale tomar banho até na varanda só por causas dos itens de perfumaria que eles oferecem.

NH 03 - Booking

NH 04 - Oficial

 

DINHEIRO

Pesos argentinos - Mãos de Vaca

Quando visitei a Argentina pela primeira vez, o real estava equiparado com o peso, 1 por 1. Na mais recente, em 2014, 1 real comprava 4 pesos argentinos.

É fato que a economia do nosso vizinho está mal e isso pode ser percebido nas pequenas coisas. Um almoço em restaurante legal com entrada, prato principal, sobremesa, taça de vinho, café e outros mimos, pode sair por R$ 100. Já uma garrafa de cerveja chega a custar R$ 15. Em geral, é uma cidade relativamente barata, mas, como em todas as viagens, quanto mais a gente pensa fora da caixinha, mais poupa o cofrinho.

Outro ponto importante. Procure trocar o dinheiro em casas de câmbio seguras. Obviamente, em locais muito turísticos a cotação pode ser bem mais alta. Por isso, tente pesquisar um pouco. Evite trocar sua grana com desconhecidos na rua. Eles ficam na rua gritando “Câmbio, câmbio, Brasil? Brasileño? Pelé, futebol”. Melhor não arriscar.

A Argentina, infelizmente, ainda tem um problema muito grave de notas falsas. É bastante comum levar esse baile, hein? Nem adianta pagar de espertão. Acontece e você só descobre quando tem um pedaço de papel sem nenhum valor nas mãos.

Uma das maneiras mais fáceis de cair nesse golpe é entregar uma nota de $ 100 esperando o troco. A pessoa pega a nota, te distrai e te devolve perguntando se você não tem uma menor. Pronto. Aí, na pressa, a gente aceita e quando menos se dá conta está com um PANFLETO opaco e liso. Fique de olho na marca d’água e na textura do papel.

 

Em caso de emergência (perda de documentos, prisão equivocada, entre outras bads):

Consulado do Brasil
(Avenida Carlos Pellegrini, 1363, 5º andar)

Embaixada brasileira
(Avenida Cerrito, 1350)

 

CONSIDERAÇÕES GERAIS

ANDE DE TÁXI. É muito barato e você cruza a cidade de uma ponta a outra sem ter que vender um rim. O metrô também é em conta (cerca de $ 4,50), muito organizado e tem várias linhas. O curioso é que algumas delas são novas e bem modernas. Já as mais antigas, lembram um trem-fantasma. Vale a pena ou quando você tem tempo ou quando pretende ir para algum endereço perto das estações. Ônibus eu não andei porque tinha medo de me perder, mas acho que a tarifa ainda é mais barata ainda do que a do metrô.

Subte Buenos Aires - Site oficial

Metrô na Argentina é subte (e não metro, sem acento).

Em quase toda rua existem umas lojinhas chamadas de kioskos. Elas se parecem bancas de jornal (só que não vende jornal, HÁ). Lá dá para comprar coisas básicas, lanchinhos, refrigerantes, cigarro e balinhas. Algumas são bem incrementadas e parecem até as nossas lojas de conveniência encontradas em postos de gasolina.

Kiosko - Flickriver

Horários: Buenos Aires funciona em outro fuso, literal e metaforicamente. Se você é um daqueles que gosta de acordar cedo, pode ter um choque de Rolex. Claro que a cidade oferece opções maravilhosas para quem curte o dia, dentre parques, passeios e museus, mas o chamado “horário comercial” de lá em nada se parece com o nosso.

O argentino faz tudo mais tarde: toma café às 11h, almoça às 15h e badala às 2h. E não é só em bairros mais boêmios ou despreocupados. Te dou um exemplo. Você quer jantar às 20h. É capaz até de dar com a cara na porta no restaurante. Já cheguei para comer (com reserva feita, claro) bem depois das 22h e a casa estava com cara de que tinha acabado de abrir.

Na balada, idem. Antes de 1h, só os funcionários. Ou os brasileiros. Como eu. Que quando vê um horário tipo 0h marcado, tá na porta 0h02.

Noite Buenos Aires

Como eu sou um notívago clássico, apresento meu esquema de sucesso. Acorde tarde, tome café no hotel ou em algum lugar pertinho, vá almoçar lá pelas 14h30 (se sentir fome antes, ataque uma empanada sem dó), dê mais um rolé, depois descanse, cochile um pouco, saia para jantar às 22h, emende com um esquenta à 0h e 2h caia na balada! Repita o procedimento até a volta.

Segurança: Buenos Aires é uma cidade cosmopolita, vibrante, onde as coisas funcionam, com serviços bem prestados, pessoas amáveis e muita coisa boa. Dito isso, Buenos Aires também é uma metrópole com os defeitos que a maioria delas também tem. Lá também tem roubo, assalto, confusão na rua e gente picareta.

Mantenha-se sempre atento a bolsas e pertences. No centro, muitos batedores de carteira ficam ligadinhos no flanar dos turistas para dar o bote. Também evite dar mole com celulares, brincos e joias como cordões de ouro naquela região. Mas sem paranoia. A capital argentina ainda é muito mais segura do que o Brasil em muitos aspectos.

 

PROGRAMAS IMPERDÍVEIS

PUERTO MADERO

Puerto Madero 01

À primeira vista parece bucólico demais, até com cara de que não tem nada de bom para fazer. Mas tem. Mesmo que o bom mesmo para fazer por ali seja mesmo… nada, só relaxar.

Puerto Madero 02

O bairro consiste em uma série de armazéns reformados (antigos diques de armazenamento) na beira do Rio da Prata. Tem vários restaurantes “nacionais” e até algumas franquias de cadeias maiores.

Puerto Madero 03

Dica de passeio? Almoce, tome um sorvete de dulce de leche no Freddo, sente-se em algum banquinho e admire a paisagem. Para atravessar para o outro lado do canal, é necessário passar na “Puente de la Mujer”, praticamente uma escultura de arte (ela se “dobra” e “abre” para as embarcações passarem).

Puente de La Mujer - Wikipédia

RECOLETA

É o bairro mais famoso e chique de Buenos Aires, top do top, crème de la crème. Vale a pena ir nem que seja só para observar a paisagem, sentado em um dos cafés da região, e curtindo aquele bom e velho nada para fazer.

Lá, no talvez metro quadrado da capital argentina, o clima é de tranquilidade nas ruas, bem diferente da muvuca do centro (que eu, claro, adoro). Como principal atração turística, a Recoleta tem o cemitério. Se você não acha muito mórbido, vale a visita.

Cemitério Recoleta 01

Cemitério Recoleta 02

Cemitério Recoleta 03

Cemitério Recoleta 04

Cemitério Recoleta 05

Cemitério Recoleta 06

Cemitério Recoleta 07

Cemitério Recoleta 08

O lugar é um museu a céu aberto com túmulos magníficos. Os turistas vão direto para o jazigo da Família Duarte, onde está enterrada Evita Perón.

Ao lado do cemitério, além de uma simpática igrejinha, um shopping charmoso, o Patio Bullrich, pode ser boa opção para compras ou um lanche. Lá fora também rola uma feirinha esperta.

Ainda na Recoleta, vá também na Avenida Alvear, quase no fim do bairro: dentre as ruas estão lojas de grandes grifes, como Armani, Ralph Lauren, Louis Vuitton, Hermés, e mais. Um ótimo lugar para arrumar um marido.

PALERMO

Palermo

De dia, é um ótimo lugar para passeios. De noite, é tomado por restaurantes maravilhosos e uma vida noturna movimentada. O bairro é dividido em três “propostas”: Palermo Viejo (a parte mais antiga e mafuá); Palermo Soho (reduto jovem e moderno) e Palermo Hollywood (agito, curtição e glamour).

Quem gosta de natureza, tem duas ótimas opções: o Jardim Botânico (Av. Santa Fé, 3951) e o Jardim Japonês, este último um presente da colônia nipônica para a cidade, simplesmente delicioso para passar uma tarde (Av. Casares, 2).

MALBA

Malba 01

Malba 02

O Malba, Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, é IMPERDÍVEL (Av. Pte. Figueroa Alcorta, 3. Ingressos por volta de $ 60). Além de receber exposições itinerantes, ele tem um mostra permanente para nenhum admirador de arte, ou mesmo leigos no assinto, botarem defeito. O maior destaque para os brasileiros é o Abaporu, de Tarsila do Amaral.

Abaporu

Obras de Frida Khalo, Portinari e Di Cavalcanti também estão em cartaz expostas lado a lado a outros grandes artistas.

Autorretrato con chango y loro

Frida Khalo, “Autorretrato con chango y loro”

Festa de São João

Cândido Portinari, “Festa de São João”

Mulheres com frutas

Di Cavalcanti, “Mulheres com frutas”

Untitled with books

Liliana Porter, “Untitled with books”

O impossível

Maria Martins, “O impossível”

George Gershwin, an american in Paris

Miguel Covarrubias, “George Gershwin, an american in Paris”

The violent tapes of 1975

David Lamelas, “The violent tapes of 1975”

Mas ó, para não dizer que eu não avisei: passe longe da lojinha de presentes lá ou você vai chorar sangue com vontade de comprar absolutamente tudo.

SAN TELMO

Esse pedaço da cidade respira história. E nem mesmo o novo e frenético ritmo do século XXI não fazem Buenos Aires esquecer do passado em San Telmo. A prova disso é a feira de antiguidades da Plaza Dorrego. Ela acontece todo domingo e reúne nativos e turistas em busca de itens raros, curiosos e até de quinquilharias.

San Telmo 01

San Telmo 02

San Telmo 03

San Telmo 04

Por lá você pode encontrar discos de vinil, abajures, óculos vintage, roupas e muito mais. Quem sabe pechinchar, em espanhol ainda por cima, pode aproveitar bem. Outra coisa bem bacana: os shows de tango que rolam na rua, de graça.

San Telmo 05

 

CALLE FLORIDA

A rua mais bombada e turística da cidade. Por ali é possível encontrar lojas de marca, roupas baratas, casas de câmbio, lojas de souvenires, de artigos em couro e até um shopping muito bem abastecido, o Galerías Pacífico.

É uma mão na roda para resolver a vida. À esquerda ou direita da Florida também existem ruas com proposta similar, mas, em sua maioria, com coisas mais em conta para o bolso.

CENTRO

Seguindo pela Avenida de Mayo, uma das mais antigas da América Latina, o turista chega à Plaza de Mayo. Era lá que as mães de desaparecidos na ditadura se reúnem para perguntar ao mundo o que aconteceu com os filhos delas. Nesse cenário, repleto de política, também fica a Casa Rosada, símbolo maior do governo argentino.

Centro 01

Centro 02

Casa Rosada

 

TEATRO COLON

Fiz uma visita guiada a esse teatro na primeira vez que fui a Buenos Aires e fiquei encantado. É um prédio lindo, cheio de história, e o passeio te leva para conhecer até os bastidores, como onde estão os belos figurinos de montagens encenadas ali.

O Colon passou por uma reforma enorme e eu ainda não consegui visitá-lo desde então. Programe-se. Os ingressos para o dia quase sempre acabam rapidinho.

CALLE MURILLO

Quer comprar artigos em couro? Então parta direto para a Calle Murillo. É o endereço certo para encontrar casacos, luvas e outras peças de vestuário.

ABASTO

Para não dizerem que eu não falei de tango, então lá vai. Visite esta parte da cidade e aproveite para conhecer a Pasaje Carlos Gardel. Toda estilizada e colorida, ela reverencia esse ícone nascido na Colômbia, mas criado em terras portenhas e imortalizado pelo ritmo mais típico da Argentina.

Abasto 01

Abasto 02

Até a estação de metrô que leva ao endereço segue esses moldes e é um show à parte. Ainda nas redondezas, e bem em frente ao beco de Gardel, está o shopping Abasto, que mantém a estrutura de um antigo (e gigante) mercado.

LAS CAÑITAS

Esse “apêndice” de Palermo concentra restaurantes e barzinhos com uma proposta cool. Vá para a Calle Baez, a mais movimentada de lá, e escolha.

AVENIDAS CÓRDOBA E SANTA FÉ

Na Córdoba, as atrações principais são as lojas e outlets de grifes como Vans, Adidas, Levi’s, YSL, entre outras. Já na Santa Fé, os amantes de cultura podem se deliciar com a loja El Ateneo Grand Splendid, uma livraria sediada dentro de um antigo teatro. Reserve pelo menos umas duas horas.

El Ateneo Grand Splendid - Amusing Planet

Nesta mesma avenida, os modernetes podem se jogar na Bond Street (Avenida Santa Fé, 1670), uma espécie de mistura entre o brasiliense Conic e a paulistana Galeria do Rock, que reúne estabelecimentos que vendem camisetas divertidas, bottons, itens inusitados e onde dá até para fazer uma tattoo ou piercing.

Bond Street

CAMINITO

Nunca fui a Salvador, mas imagino que o Caminito seja uma espécie de Pelourinho de Buenos Aires. O bairro é mega turístico. Há quem não goste de tanta zoada (eu mesmo já cumpri minha cota de visitas ao endereço), mas ir lá é quase obrigatório para um turista de primeira viagem.

Caminito 01

Caminito 02

Caminito 03

Caminito 04

Caminito 05

As casas, todas coloridas, dividem espaço com artistas de rua performáticos, feirinhas de artesanato e muitas e muitas lojas de suvenires. Aproveite para comprar todos suas lembrancinhas de uma só tacada.

Caminito 06

Caminito 07Caminito 08Caminito 09Caminito 10

LA BOCA

Fãs de futebol, e até quem não curte o esporte, como eu, devem dar uma passadinha no bairro para visitar, além do Caminito, a La Bombonera, o estádio do Boca Juniors que parece uma caixa de bombons. Mas fique ligado. La Boca não é o centro, Dorothy, e você não está mais no Kansas. Prefira ir em grupo, de preferência com um destino certo. Dizem que por lá não é seguro passear à noite (sozinho ou com turma, ok?).

 

RESTAURANTES, BARES E CAFÉS

Olsen
Gorriti, 5870 – Palermo Hollywood

Meu restaurante preferido na cidade, o Olsen é especializado em comida nórdica e conta com ambiente charmoso e aconchegante. Sente-se no balcão e se jogue em todas as variedades de vodcas que eles têm, principalmente em um drink de maracujá, hortelã e vodca chamado Mint. O Bloody Mary – versão tradicional ou “defumada – também vale a pena.

Olsen 01Olsen 02

Se não for jantar, peça o Cinco por cinco (um pratinho de 10 aperitivos harmonizados com bebidas) e uma entrada composta de pão de centeio, queijo fundido e salmão defumado.

Olsen 03

Plaza Serrano
Palermo

Em Palermo Viejo, a noite começa a bombar na Plaza Serrano. Por ali, vários bares e boates disputam a atenção dos turistas e nativos e quase sempre estão lotados. É um ótimo lugar para fazer o esquenta da balada.

The Kilkenny
Marcelo T. de Alvear, 399

Pub tradicional e badalado de Buenos Aires.

The Kilkenny

Te Mataré Ramirez
Gorriti, 5054

Um dos melhores lugares em que já comi na vida. Esse restaurante é especializado em comida afrodisíaca e tem um clima super gostoso. Os pratos têm nomes de duplo sentido e até reproduzem algumas formas eróticas, digamos assim.

Te Mataré Ramirez 01

Te Mataré Ramirez 02

Milion
Paraná, 1048

Lugarzinho hype, relativamente barato e tem um ambiente lindo.

Dada Bistro
San Martin, 941

Pequeno, mas bastante charmoso, localizado perto da aglomeração da Florida e afins. Se ainda tiver no menu, peça o queijo morbier com salada ou a polenta com cogumelos. Lá é tudo tão bem servido que dá para passar só com entradas.

Bonjour Paris
Uruguay 1145

Um cafezinho delicioso na Recoleta para tomar chá acompanhado de macaron. No friozinho fica melhor ainda…

Bonjour Paris 01

Bonjour Paris 02

Café Tortoni
Av. de Mayo, 825

O Tortoni é sem dúvidas um dos lugares mais tradicionais da capital argentina, praticamente a Confeitaria Colombo dos portenhos. Programa indispensável.

Café TortoniGran Bar Danzón
Libertad, 1161

Mesmo com o endereço em mãos, passei umas três vezes na frente da casa e não me dei conta de onde ela ficava. Depois de passar por uma pequena porta, sem nenhum grande atrativo, a escada leva a um grande salão com decoração contemporânea. O ambiente é sofisticado, mas sem afetação. E o melhor: os preços são acessíveis. Acho que o conceito mistura comida asiática com culinária fusion, sei lá, bebi muito vinho.

Gran Bar Danzón 01

BALADAS

Podestá
Armenia, 1740

Club alternativo de rock e outras cositas más.

Amérika Disco
Gascón, 1040

Talvez a boate LGBT mais conhecida de Buenos Aires. Tem várias pistas de dança bem amplas e, dependendo do dia, dá para ouvir de um tudo. Porém, predomina o eletrônico.

AmérikaSitges
Avenida Córdoba, 4119

Misto de bar e boate no mesmo esquema da Amérika (é, inclusive, do outro lado da rua de lá), só que em versão petit: paga-se tanto e pode-se beber tudo. Música pop e mais. Com pegada gay.

Club Severino
Guarda Vieja, 3360

Rola uma baladinha na segunda-feira que é SENSACIONAL! Gente jovem, música black, pop e o caralho a quatro. Conheci quando ela ficava na Hipólito Yrigoyen, mas eles agora fazem festa em outro endereço, perto do Abasto Shopping.

Club SeverinoKika
Honduras, 5339

Dois ambientes com pop, eletrônico e tal. Boate cool e da moda.

¡Que noche mágica ciudad de Buenos Aires!

Crédito das imagens: Aeropuertos.net, Passagens aéreas dicas, Mãos de vaca, Booking, Flickriver, Amusing planet, arquivo pessoal e sites oficiais.

Anúncios
Esse post foi publicado em Loz Engelis pelo mundo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Loz Engelis pelo mundo – Mi Buenos Aires querido…

  1. Sarah disse:

    Vou a Buenos Aires em agosto e estou empolgada. Tbm será minha primeira viagem internacional e estou ansiosa. Rs. Gostei muito das dicas e das fotos. Obrigada por dividir sua experiência. ABS!

  2. Marcia disse:

    Acho que poderia colocar dicas de mercados e feiras!
    No aguardo
    Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s