Triplo X



Um tradicional fashion statement afirma que as mulheres de hoje devem a Coco Chanel o privilégio de usarem calças compridas sem serem discriminadas. O que pouca gente sabe é que, no mundo cinematográfico, se hoje o sexo é algo comum, muito se deve a Garganta profunda (1972), produção pioneira do cinema pornô. Nome cunhado para descrever uma peripécia sexual no campo da felação, Garganta profunda figura como umas das películas mais rentáveis da história (tendo como base a relação custo/ganho, a inflação subsequente e outros fatores).


É, cara pálida. Se hoje você pode surfar na web e presenciar as maiores putarias existentes no planeta, isso é resultado direto dessa fita que ganhou o mainstream e mudou a maneira de se ver o sexo na tela grande. Para entender melhor essa história, o Loz Engelis recomenda o documentário Inside deep throat (2005), dirigido pela dupla Fenton Bailey e Randy Barbato (Party monster), produzido por Brian Grazer e narrado pelo saudoso Dennis Hopper.





Pensemos no seguinte cenário. Estados Unidos, início dos anos 1970. A revolução sexual iniciada na década anterior ainda estava aparentemente em vigor. O relatório Kinsey havia balançado os alicerces do papai-e-mamãe. A pílula anticoncepcional ganhava cada vez mais adeptas – era possível, pasmem!, transar e não engravidar. Nas praças, mulheres queimaram seus sutiãs em busca da liberdade. Vieram os ecos do maio de 1968 francês. O festival do Woodstock celebrou o amor livre. Dias melhores estavam por vir.





No entanto, a industria cinematográfica, em especial a norte-americana, ainda engatinhava em relação à libertação sexual. A hipocrisia e os “valores tradicionais da família” ainda reinavam absolutos quando o assunto era sexo. Nesse meio dicotômico, Gerard Damiano, um ex-cabeleireiro que arriscava-se em medíocres produções amadoras, quis elevar a qualidade de seu trabalho.


De uma ideia estapafúrdia, surgiu o mote para um filme de trepa-trepa explícito. Seis dias de filmagem e cerca de U$$ 25 mil de orçamento. A novata Linda Lovelace, uma garota aparentemente comum, interpretava uma dona-de-casa que não sentia prazer sexual. A moça descobriria em uma consulta com um médico fanfarrão que tem o clitóris localizado no fundo da goela. Por isso, ela só atinge o clímax ao… Bem, gente. Acho que já deu para entender. Garganta profunda estava pronto para entrar na história.








A estreia, em junho de 1972, apenas deu a faísca necessária para o início do incêndio. Chocados com tamanha falta de moralidade, os mais antiquados iniciaram uma caça às bruxas, com pleno apoio do governo Nixon. Teve início uma guerra pelas liberdades individuais dos cidadãos. O ator Harry Reems, que interpretou o médico avantajado, foi processado e condenado apenas por ter participado do filme. Anos depois, Linda Lovelace alegou ter participado da produção obrigada por seu marido e disse que “quem assiste Garganta profunda assiste ao meu estupro“.


Alguns setores da sociedade não-pornô deram seu apoio – de artigos sobre o novo Porno chic no The New York Times ao engajamento de atores como Jack Nicholson e Warren Beatty. A polêmica ainda estava no ar. Num lance de ironia do destino, Garganta profunda causou mais um escândalo, indiretamente, no meio político: era assim que o informante dos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein, a dupla que desvendou o caso Watergate e causou a renúncia de Nixon, era chamado. (A história, Todos os homens do presidente, virou livro e filme).





Com um relato apurado, o documentário, que infelizmente não possui DVD em versão brasileira, vale pelas entrevistas com os realizadores e pelo intenso material de arquivo usado para a pesquisa. A narrativa poderia pender para o escatológico ou para o pedante, mas é simples e completa. Inside deep throat é nada mais, nada menos do que a história de um grupo de pessoas inconformadas com a hipocrisia do mundo. À sua maneira, eles encontraram um jeito de escancarar: botando, literalmente, a boca no trombone.


Anúncios
Esse post foi publicado em Cinema e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Triplo X

  1. David disse:

    Nice post. Loved it! Your blog is awesome!

  2. billyloomis disse:

    e eu achando que garganta profunda era só mais um filme onde a moça dava em cima da máquina de xerox…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s